Olhar ecológico e colorido de Iracema vai ganhar mostra

Publicado em:

A faceta mais ligada ao naïf, ao popular e à imaginação da Galeria de Arte André ganha mais um capítulo no ano que vem, quando a terceira edição do projeto Monográficas será dedicado à produção de Iracema Arditi (1924-2006). A artista paulistana que teve duas exposições individuais no espaço - em 1981 e 1983 - criou telas em que a paisagem foi foco central de sua poética, com grande apuro cromático e abertura para uma visada não documental sobre o tradicional gênero da história da arte. 

 

Brasil Brasileiro, 1988

 

Iracema foi uma profissional autodidata, depois de trabalhar como secretária, jornalista e comissária de bordo, entre outras atividades. Expôs pela primeira vez em 1954 no Salão de Arte Baiano, em Salvador, mas foi depois da sua primeira exposição individual na Casa da Cultura Francesa, em São Paulo, no ano de 1965, que ela teve intensa trajetória no circuito das artes plásticas da época, não apenas no Brasil. Na França, por exemplo, teve individuais nas galerias parisienses Herbinet (1965), Antoniette (1967), Camille Renault (1969), Séraphine (1970) e Debret (1974).

O crítico Leo Gilson Ribeiro, em texto que acompanha a mostra de Iracema em 1983 na André, destaca a particular produção da artista. “Seus matizes de amarelo, de roxo, de verde, as flores, os casais de amantes, os pássaros, as casas, os montes – tudo flui ritmicamente como numa estuante canção da terra, celebração ao mesmo tempo alegre e melancólica da vida”, escreve ele.

 

Aquariano, 1988

 

A própria artista já desenvolvia um olhar ecológico sobre a própria obra, como depoimento ao MIS (Museu da Imagem e do Som) paulistano revela. "Meu maior compromisso diante de mim mesma é provocar saudades antecipadas disso tudo, das belezas naturais que desaparecem, por vontade, ambição e ingenuidade do homem. A máquina chega toda poderosa, não devemos ceder a destruição das florestas, das matas, árvores, gramados ela acaba com nossas borboletas, passarinhos e a sombra amiga para pensar, ler ou simplesmente ficar ao fresco", conta ela no registro, em 1975.

 

Mulheres do Rio, 1988

 

A produção de Iracema também foi objeto de olhares literários bastante especiais, como os de Jorge Amado (1912-2001) e Pablo Neruda (1904-1973). Transcrevemos as avaliações abaixo.

"Um país vegetal e mágico, paisagem tranqüila com águas mansas de lagos e rios, legiões de enormes borboletas, pequenos pássaros em bando, numa inata sabedoria de cores, eis o mundo de Iracema em quadros cada qual mais repleto de paz. Recordo meu deslumbramento no meu primeiro contato com a pintura da moça paulistana, se não me engano em uma exposição na Galeria Cosme Velho. Essa sensação imediata de paz e amor na visão de um mundo ainda não afetado por toda a corte de desgraças que nos cerca e assassina a cada instante em todos os quadrantes de um mundo sem sentido. Iracema nos restitui a simplicidade, a ternura, uma plenitude de vida", escreve Jorge. 

 

Já Neruda a elogia assim:

 

" A la orilla del Sena

pescadores cansados pescaban viejos peces

Era otoño em Paris

Las hojas no sabían si quedarse en el árbol

o caer a las aguas del río fatigado.

Varios siglos pesaban

sobre la catedral de color de ceniza

eran siglos terribles,

sacos de piedra y sangre.

 

La antigua catedral mostraba sus arrugas

ya no tenía dientes,

su ojos pequeñitos no miraban a nadie,

no miraban al cielo.

 

Europa me pareció aquel día

cansada en su belleza.

 

Hasta que por la calle Bonaparte

me asaltó la pintura de Iracema.

 

Fué como presenciar los

primeros amores de la tierra.

 

Todo el bosque nupcial.

La agua viva.

La frangancia del árbol dando gritos.

La furia verde

de la primavera.

 

Iracema

ya, por lo menos tú

no estás cansada.

 

Te amo."

Iracema Arditi em 1981, foto de Olnei Kruse

 

Fontes

http://www.iracemarditi.fr/

http://artenaifrio.blogspot.com/2012/11/iracema.html

http://acervo.mis-sp.org.br/audio/entrevista-de-iracema-arditi-0

 

Fotos


Compartilhe


Obras Relacionadas

Obras vistas recentemente