A modernidade das artes aplicadas em Pennacchi e outros mestres

Publicado em:

O MAC-USP (Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo) apresenta desde o último dia 21 a exposição coletiva Projetos para um cotidiano moderno no Brasil: 1920-1960, com cerca de 120 obras que trazem experiências visuais para além de pinturas e esculturas de grandes nomes do modernismo brasileiro. Há variadas obras, de ilustrações e cartazes, projetos de murais a desenhos de cenários e figurinos, entre outros itens. São assinadas por nomes como Fulvio Pennacchi (1905-1992), Vicente do Rego Monteiro (1899-1970), Di Cavalcanti (1897-1976), Mario Zanini (1907-1971) e Antonio Gomide (1895-1967), entre outros.

Di Cavalcanti (4) 

Di Cavalcanti - Projeto do Painel do Teatro João Caetano, 1929

"Interessa-nos compreender a importância deste conjunto para o entendimento de uma experiência ampliada de modernidade"

"A mostra propõe diferentes ângulos de observação para obras e artistas já conhecidos e estudados pela historiografia do modernismo brasileiro. Interessa-nos compreender a importância deste conjunto para o entendimento de uma experiência ampliada de modernidade", destacam as curadoras Ana Magalhães e Patrícia Freitas, que lideram o grupo de pesquisa Narrativas da Arte do Século 20, constituído por outros oito estudantes uspianos e responsável por tal recorte.

IMG_20210821_130725

Fulvio Pennacchi - História da Imprensa. Estudos para o Mural da Gazeta. 1938

Indubitavelmente, uma das figuras principais da exposição é Pennacchi, com diversas manifestações em meios distintos que reforçam o caráter multifacetado da sua produção. O egresso do grupo Santa Helena tem no conjunto de óleos sobre cartão que serviram de esboço para o mural História da Imprensa, para A Gazeta (em edifício situado no Centro de São Paulo e realizado em 1938), um conjunto paradigmático dentro dessa modernidade percebida pela curadoria.

Regina Graz (1) (1) (1)

Regina GrazMulher com galgo, c. 1930

"Também se observa nesse período um número significativo de murais inseridos em ambientes privados, tais como cafés, bancos, clubes esportivos, cinemas e residências", salienta Freitas. "Esses murais tomavam como base uma ideia alargada de modernismo, adaptada ao gosto e aos ideais de qualidade e beleza vindos das classes burguesas paulistas."

Dos outros grandes nomes da exposição, também devem ser lembrados Di, com o importante projeto do mural do teatro João Caetano, executado no Rio de Janeiro, de 1929, e a charge Dança do Capital com a Morte, de 1950; os guaches sobre cartolina de autoria de Flávio de Carvalho (1899-1973) para o balé A Cangaceira, de 1953, e as tapeçarias de Regina Gomide Graz (1897-1973), como Diana Caçadora, de 1930. 

Flávio de Carvalho (2)

Flávio de Carvalho - A Cangaceira, 1953

 

Sem Título

Sem Título

Obra figurativa com procissão de mulheres, predominância em tons ocre, marrom [...]

Carnaval

Carnaval

Obra figurativa com duas mulheres e predominância em vermelho [...]

Aldeia e Marinha

Aldeia e Marinha

Família

Família

Família, predominância em branco [...]

Fotos


Compartilhe

Obras vistas recentemente