Arte pública em São Paulo | Galeria de Arte André

Tipo de Obra


Tamanho


Orientação


Tema


Cor predominante



26/01/2021

Arte pública em São Paulo

Os 467 anos da cidade de São Paulo são comemorados neste 25 de janeiro de 2021. Nesses 62 últimos anos, a Galeria de Arte André acompanhou os intensos movimentos da urbe também por meio dos trabalhos de vários de seus artistas. E agora destaca uma rota possível de obras que podem ser vistas sem barreiras ou impedimentos, destacada pelo talento desses nomes já indispensáveis na história da arte do país.

Victor Brecheret (1894-1955), que vai ganhar representativa mostra ainda neste ano na galeria, foi uma das figuras de proa do modernismo brasileiro, a ser festejado por meio de diversos eventos por conta do centenário da Semana de 22, já bastante próximo. E realizou obras de grande monta em logradouros públicos, que se tornaram marcos. O Monumento às Bandeiras (1953), no parque Ibirapuera, e o Duque de Caxias (1960), na praça Princesa Isabel, Centro, numa área hoje degradada, podem ser citados como exemplos de monumentos públicos. Há também peças menos conhecidas em espaços acessíveis. O conjunto de esculturas da Capela do Hospital das Clínicas, em Pinheiros, boa parte originária dos anos 40, e algumas sepulturas da Necrópole São Paulo, também em Pinheiros, como o da família Scuracchio, de 1945, obra-prima de arte tumular, podem ser vistas como exemplo.

 

Monumento Duque de Caxias  

 

Afrescos de Pennacchi na igreja Nossa Senhora da Paz no Glicério

 

Fulvio Pennacchi (1905-1992), artista nascido na Toscana e que se tornou um dos principais nomes do grupo Santa Helena, também tem espalhadas algumas de suas grandes obras por variados pontos do tecido urbano. Sem dúvida, uma das mais destacadas é o conjunto de afrescos na igreja Nossa Senhora da Paz, no Glicério, datado dos anos 40. A capela do HC, além das peças de Brecheret, também conta com obras murais de Pennacchi, meio com o qual ele se tornou célebre. E o túmulo da família, no Cemitério da Consolação, também exibe importantes peças do artista ítalo-paulistano.

Outro nome de peso do grupo Santa Helena, Clóvis Graciano (1907-1988), compôs trabalhos relevantes em sua produção pensados para serem expostos em condições naturais. Operário (1979), na avenida Moreira Guimarães, que segue para o aeroporto de Congonhas, Armistício de Iperoig (1962), instalado na Faap (Fundação Armando Álvares Penteado), no Pacaembu, e aquele que orna fachada no edifício Nações Unidas, na avenida Paulista, de 1959, podem ser considerados alguns dos mais importantes.

 

Obra "Operários" de Clóvis Graciano 

 

Brecheret, Pennacchi e Graciano têm trabalhos de grande qualidade disponíveis no acervo da André, além de abrilhantarem com sua presença exposições individuais e coletivas na trajetória do espaço, tanto anteriormente como nos dias atuais.  

Quero receber novidades
Preencha o campo Nome e Sobrenome corretamente.
Preencha o campo Email corretamente.