Artista

Pennacchi

Fulvio Pennacchi

Fulvio Pennacchi (Villa Collemandina - Garfagnana, Toscana, Itália, 1905 - São Paulo, 1992). Pintor, desenhista. Mudou-se para Lucca, na Itália, em 1924, e iniciou sua formação artística enquanto freqüentava o Regio Istituto di Belle Arti, onde teve aulas com o pintor Pio Semeghini (1878 - 1964). Mudou-se para São Paulo em 1929, dedicando-se a diversas atividades até 1933, quando se tornou assistente de Galileo Emendabili (1898 - 1974) na execução de monumentos fúnebres. Em 1935, conheceu Francisco Rebolo (1902 - 1980), passou a visitar seu atelier e associar-se aos artistas do Grupo Santa Helena. No ano seguinte, com a indicação de Emendabili, trabalhou como professor de desenho geométrico e arte no Colégio Dante Alighieri [Escola Dante Alighieri]. No mesmo período, ingressou na Família Artística Paulista - FAP, e começou a executar painéis de afresco e óleo para residências, igrejas, hotéis e outros edifícios, principalmente os afrescos em grande escala da Igreja Nossa Senhora da Paz. Igreja da Paz], no subúrbio de Glicério, que ele executou entre 1941 e 1948. A partir de 1952, começou a pesquisar técnicas policromáticas para a cerâmica. Em 1965, ele entrou em uma fase de retirada em que ele evitou exposições e do mundo da arte. Em 1973, reabriu seu ateliê, recebendo várias homenagens no Brasil e na Itália. No mesmo ano, conheceu a oleira Eunice Pessoa, e com ela desenvolveu um grande número de peças que foram mostradas em 1975. Sem nunca ter abandonado as atividades artísticas, ele novamente começou a aparecer em várias exposições e continuou a produzir painéis afresco. Em 1980, Pietro Maria Bardi (1900 - 1999) publicou um livro sobre seu trabalho. Nove anos depois, a editora Gema Design lançou o livro Ofício Pennacchi [obra de Pennacchi], organizado por Valério Antonio Pennacchi.

Fonte Itaú Cultural